sexta-feira, 14 de junho de 2013

É preciso sentir a dor do outro

É preciso sentir a dor do outro
Ronaldo Magella – professor, poeta, escritor, blogueiro, radialista, jornalista e mais nada.
14/06/2013

A gente sempre tem solução pra tudo, ah, é simples, faça assim, faça isso, mas quando acontece com a gente parece que tudo que era tão fácil, simples e leve agora ficou muito complicado, difícil e pesado de carregar, pois agora está em nós, o que antes era em outros e a gente sorria e dizia, levante essa cabeça, agora está em nossa porta e a gente não sabe como dizer não, mandar embora, deixar partir.

A gente nunca acha que vai acontecer com a gente, mas parece que a vida já tem o seu roteiro, tudo já está traçado e ela fica nos espreitando, esperando pelo nosso momento, já sabemos que todos iremos morrer, nós e os outros, isso a gente entende, a gente só não aceita quando acontece, já sabemos que tudo irá passar, a dor, tudo, é só esperar pelas horas, pelos dias, mas quando está doendo em nós parece que nunca vai ter fim, nunca vai terminar.

A gente sempre pede pras pessoas compreenderem, entenderem, pensarem melhor, bem, mas quando é com a gente tomamos decisões radicais, não dá mais, não quero, pronto, não suporto mais, é simples quando não está em nossa cabeça nem em nosso coração, é difícil viver o que nos acontece, é fácil solucionar o que não estamos a sentir, aquilo que apenas olhamos sem nos afetar, temos saída pra tudo, menos pra nossa própria vida.

Daí então você começa a perceber e precisa entender a dor dos outros, seja ela qual for, pois se pra mim, pra você, venha a ser algo simples de se resolver, e sempre é, pois não estamos a passar pelo momento, para o outro não é, toda dor, todo sofrimento sempre é muito individual e particular, é muito de casa um, e cada um sabe o que pode suportar, o que pode viver.

Só vivendo e sentindo a dor do outro é que vamos entender o que ele está a passar, não adianta pensar, dizer que entende, compreende, não, apenas temos uma noção, só quem vive passa é quem sabe a dor que lhe angustia. Por isso é preciso muito respeitar os outros em suas existências, momentos, em suas vidas, em suas dores, pois se pra mim é algo pequeno, suportável, e só o é, porque não estou a sentir, pra ele talvez não seja e nunca iremos saber.


Nenhum comentário:

Postar um comentário