quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Amar é cuidar

O amor me deixa tenso

Ronaldo Magella  22/12/2016

Sempre sinto um frio na barriga perto da pessoa amada, disfarço, com um riso nervoso, uma gargalhada alta, mas estou tenso.

Olho de lado, tento não olhar, nossos olhares se cruzam, penso mil coisas, amoleço, desconcerto, me quebro.

Perto da pessoa amada tenho medo de errar, de não acertar a palavra, o gesto, de não saber sorrir, quero ser quem sou, acabo não sendo, pareço artificial.

Se espero por ela, não me acalmo, abro a geladeira, perco o sono, passeio daqui pra lá, de lá pra cá, fico inquieto até ela chegar, mexo aqui, arrumo ali, desmancho acolá, não paro.  

Chamaria de cuidado, sempre é um momento delicado encontrar quem a gente ama, gosta.

Não gostaria, e nem quero, deixá-la magoada ou triste, com raiva ou com alguma cisma, mas confesso, nem sempre acerto.

Às vezes e muitas vezes, quero ser simpático, sou chato, quero ser educado, me torno excessivo, se acelero, sou freado, quando sou mais lento, sou reclamado, nunca sei o que fazer.

O bom, o melhor de tudo, ainda é se importar com quem eu amo, se erro, é tentando acertar, se me preocupo, é querendo cuidar, se exagero, é por desejar ser sempre melhor. 

Perto de quem amo, todos os meus defeitos, com bons olhos, são qualidades, sou eu apenas querendo mostrar amor, que amo, quero, cuido e me importo.


terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Vale a pena esperar

O segrego da felicidade é a paciência

Ronaldo Magella – jornalista – 20/12/2016

Outro dia passei três horas na manicure, comendo jujuba.

Depois foi ao cabelereiro. Mais uma hora.

Aproveitei o tempo para ler, caminhar e tomar um sorvete, jantar e ouvir música.
Sim, deu tempo. Sobrou tempo. Muito tempo.

Não era eu quem estava se submetendo ao processo de embelezamento, era minha namorada.

Fui avisado previamente de toda a programação com seu respectivo tempo, quatro horas, aceitei de bom grado o desafio, era um teste de paciência, passei.

Sou uma pessoa paciente, agora sei disso. Estou orgulhoso de mim. Parabéns para mim.

Sou escritor, gosto de experimentar as coisas, vivenciá-las.

Não reclamei, não resmunguei, adorei a espera, fazer parte do processo, se quero repetir? Adorei as jujubas, o sorvete estava ótimo, o jantar uma delícia, a caminhada foi boa, respondi?

Mas pensei, ue, os homens não perdem 120 minutos com jogos de futebol, e nem bonito ficam? Então.

Ao final de tudo, unhas feitas, cabelo perfeito, era nítido o sorriso e alegria da minha namorada, felicidade sem preço, paz interior pra dar e vender.

E olha que nem parecia que haviam se passado 240 minutos, quatro horas, da sua vida, sentada numa cadeira sem fazer nada esperando apenas o tempo passar, e só pra ficar bonita.

Ela me disse que gosta de ficar bonita pra si, é um pouco de ego, vaidade, depois me disse que fica bonita para os homens, é o momento da conquista, de impressionar, e por fim disse que fica bonita para outras mulheres, para sambar na cara das inimigas, é a competição.

Mas nada deixa mais feliz uma mulher do que se sentir bonita, atraente, charmosa, deslumbrante, perfeita, maravilhosa.

Se os homens soubessem disso, teriam mais paciência e claro evitariam muitas outras coisas.

Mulher feliz consegue ser mais doce, meiga, carinhosa, compreensível, leve, aberta.

O segrego da felicidade é a paciência, vale a pena esperar. Mas não vou contar isso a ela.


segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Amar quem te odeia

Ame quem te odeia, é desconcertante

Ronaldo Magella 19/12/2016

Não há nada mais desconcertante do que gostar de quem não gosta da gente.

Simpatizo com as pessoas que não gostam de mim, tenho carinho por elas, afeto.
E acho engraçado.

Penso, como alguém que nunca falou comigo pode não gostar de mim? Acho interessante.

No fundo a pessoa espera que eu seja como ela gostaria e como não sou, ela não gosta de mim, ela não sabe me aceitar como eu sou, por isso me suporta.

Nada mais angustiante do que odiar alguém e ela te retribuir de forma contrária, com amor.

Desarma.

Quando alguém não te suporta e você revida da mesma forma, apenas estará ensejando argumentos para alimentar o sentimento negativo que ela nutre e tem por ti.

Aos meus críticos a resposta é sempre a mesma, o silêncio.

Não me dou o trabalho de rebater ou criticar de voltar, sei que um dia eles cansam, não tenho energia para acusações ou discussões sem fim.


Não é fácil, muitas vezes a gente até tem um sentimento contrário contra alguém, mas a gente guarda, não fala, um dia passa, a gente esquece, a vida segue. 

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Machismo é só carência, medo e insegurança

Machismo é só carência, medo e insegurança

Ronaldo Magella – (jornalista) – 15/12/2016

O cara proíbe a namorada de usar aquela saia curta, ou qualquer outra roupa, tem medo que a esposa trabalhe fora de casa, não gosta de dividir a conta, não se aproximada de mulheres fortes, independentes e inteligentes, tem ciúmes, só pode haver uma explicação, é carente, inseguro e medroso.

Todo machista é carente, e no fundo é alguém solitário que precisa de atenção e cuidado, não sabe dividir, não permite a liberdade, não consegue se virar sozinho, tem medo de ser abandonado, deixado.

Todo machista é medroso, por mais macho que ele seja, como dizem, a ponto de usar a frase, “mulher minha...”, aí entra um traço de possessividade, ele tem apenas medo da liberdade dela, por isso a proíbe de usar determinadas roupas, de ir pra alguns lugares, de ter determinadas atitudes.

Todo machista é inseguro, não confia em si mesmo, não tem autoestima, por isso muitas vezes usa da força, da violência para se sentir superior, melhor, ter o controle sobre a mulher que está ao seu lado.

Todo machista não se acha capaz de possuir o que tem, ou seja, alguém, no caso, uma mulher, por isso se usa de várias formas de coerção para não perder aquela a quem diz amar, desejar, querer, mas que muitas vezes é apenas um objeto de orgulho e vaidade.

Não é o machismo que causa a carência, o medo, a insegurança, é o contrário, o machismo nasce do não saber lidar com a liberdade do outro, com certas formas, hábitos, condutas, logo, é mais fácil proibir, cessar, coagir, violentar.

A violência é o último recurso praticado, quando já não é mais possível estabelecer uma linha, as regras, quando a ordem foge ao controle do machista, não restando mais nada, apenas ser mais incisivo e ríspido, não que o machismo não seja uma forma de violência seca e áspera, sim, é, mas muitas vezes aceitável para quem se sujeita e se sente confortável.

Todo machista quer pra si aquilo que nega a outrem, para ele as regras não se aplicam, ele exerce o controle, o poder e não tolera que lhe sai do comando aquela a quem diz gostar, mas não gosta realmente, apenas possui.


Todo machista é infantil, autoritário, limitado, além do medroso, inseguro e carente. 

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

A beleza pode nos tornar infelizes?

A beleza pode nos tornar infelizes?

Ronaldo Magella 12/12/2016

Sou feio e isso me permite um certo alívio, pois sei que ninguém irá se interessar pela minha beleza, já que não a tenho, logo, não serei objeto de ninguém, nem alguém me terá para ostentar aquilo de que não disponho, beleza, é claro.

Sempre pergunto as pessoas bonitas como é ser como são, claro, ninguém diz ou se acha realmente bonito, pelo menos, é o que dizem, o que é uma coisa educada, digamos, ou politicamente correta, já que a gente não pode se atribuir beleza, são as outras pessoas que nos acham belos.

Sei que beleza cansa, sei que ser bonito pode nos pregar peças, pode nos enganar, mas agora penso que ela pode nos tornar, de alguma forma, infelizes, uma vez que pode atrair pessoas interessadas naquilo que aparentamos e não no que realmente somos.

Bela, bonita e infeliz, isso é mais comum do que se imagina, se pensa, podemos acreditar. Num mundo que se cultiva a juventude, a beleza, a sucesso, a fama, o dinheiro, sempre pensamos no lado positivo, como se não houvesse um lado negativo em tais estados, atributos e qualidades.

Qualquer mulher bonita sabe como se sente ao ser cortejada por um homem, por mais que ela adore se sentir bonita, estonteante, deslumbrante, perfeita, magnífica, ela cansará de receber elogios sobre as suas pernas ou de como a sua bunda é bonita ou de como ela tem o corpo perfeito, de tanto receber essas observações com o tempo ela até poderá perceber e entender ou sentir que a beleza é uma maldição muitas vezes. Talvez.

Mas se isso pode sim ser verdade, se ruim com ela, pior sem ela, só gente feia sabe como é ruim ser como é. Se a beleza pode nos tornar em algum momento da vida infelizes, a feiura pode nos amargurar para o resto da vida.



Óbvio, beleza conquista, abre portas, aproxima pessoas, atrai olhares, mas ela finda, termina, passa, acaba, deixa pouco do que um dia foi, era, parecia, mas a coisa feia chega, fica, não passa e nunca vai embora. 

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Não é tão fácil e simples esquecer das pessoas, algumas ficam arquivadas

Não é tão fácil e simples esquecer das pessoas, algumas ficam arquivadas
Ronaldo Magella 07/12/2016

Tive um grande amor e durante seis meses tentei reatar a nossa relação, se lograr êxito. Ela parecia decidida, feliz, resistente, enquanto eu me arrebentava por dentro e por fora, pensando que jamais iria conseguir superar aquele momento, aquela sensação, aquele sentimento.

Acreditava que ela já havia superado tudo que havíamos vivido e também havia decidido não mais me querer, desejar, e claro, a admirava por isso, uma vez que não conseguia, nem tinha perspectiva, enquanto ela me parecia já bem distante de mim, até um dia.

Bem, um dia, um dia também decidi que já era hora de seguir, mesmo gostando, mesmo sofrendo, da forma que fosse, era a hora e o momento de superar o que havia, me renovar, voltar a viver, mesmo carregando dentro de um vazio que vez por outra me arrastava pra baixo.

Mas qual não foi a minha surpresa quando, meio que de forma aparente, eu que já não demonstrava, pelo menos em gestos e insistência, mais querer e ter em mim mais tanta paixão por ela, eis que ela reaparece na minha vida, com todas as saudades, com todas as ausências, com todas as vontades, outra vez me querendo, me desejando.

A gente nunca sabe o que se passa no coração e na cabeça das pessoas, muitas vezes os sentimentos e emoções estão ali, presentes, fortes, pulsando, mas algumas pessoas conseguem controlar, silenciar, vivem amores silenciosos, gostando de forma discreta, sofrem sem alarde, à distância.

Elas meio que ficam arquivadas em nossas memórias, como pastas, como arquivos, como documentos que vez por outra a gente acessa, mexe, muda, salva, mas não consegue ou não pode jogar fora, nunca se sabe quando se irá precisar.

Jogando fora a teoria de que a gente só enseja valor quando perde, acredito que a questão seja outra, não é tão fácil e simples esquecer as pessoas, das pessoas, muitas ficarão com a gente pelo resto da nossa vida, mesmo que distantes, idealizadas, ou despertando sentimentos não tão nobres, mas o espectros delas viverão em nós, da forma que nos for possível.

A gente não esquece o que viveu, o que passou, sentimentos não morrem, a gente até ignorá-los, silenciá-los, mas eles estarão sempre por aí, uma vez que pensamento é algo que não se controla, quando a gente não quer pensar, já pensou, quando não quer lembrar, já lembrou, a saúde nos invade, a falta do outro se faz presente, o passado se torna muitas vezes a única coisa possível em nossas vidas.

Quanto ao meu amor, ela desistiu, mas ainda me segue nas redes sociais, vez por outra me curte, se faz presente, penso até que ainda gosta de mim, sente saudades, só não sei o que ela faz com isso. 

Com ela mesmo me diz, “tenho dias de você, esses dias em que apenas você existe na minha vida, no meu coração e na minha mente, nesses dias e te amo como sempre amei um dia”.


terça-feira, 6 de dezembro de 2016

As pessoas mudam sim por amor, quando querem

As pessoas mudam sim por amor, quando querem

Ronaldo Magella 06/12/2016

A tese de que ninguém muda ninguém não é uma verdade imutável, acredito que sim, as pessoas mudam por amor.

Claro que mudanças não acontecem por obrigação ou forçadas, mas por vontade , desejo e de forma livre.

Fazer parte da vida de outra pessoa é renunciar um pouco de si, a gente esquece um pouco do que gosta para gostar um pouco do que a outra pessoa gosta, é uma ponte, servir pra ir, serve pra vir, pra ligar os dois, pra manter um elo.

Hoje acredito que os diferentes podem ser atrair, mas são os similares que irão continuar juntos, aqueles que comungam de afinidades, que são cúmplices e solidários um com o outro.

No fundo a gente quer alguém, deseja uma pessoa para dividir uma vida, momentos, pra sentir segurança, saudade, gostar, conversar, pra somar, não pra dividir ou subtrair.
Não queremos trocar de coisas ou ceder a vez ou ficar esperando, queremos é fazer juntos, sermos dois em um, caminhar na mesma direção, no mesmo sentido, com os mesmos objetivos.  

A gente cede aqui, recebe ali, deixa uma hora, espera outra, e vamos assim nos equilibrando, buscando a harmonia, a paz, o bom senso, o conforto da relação.

Como diz a música de O Tetro Mágico, os opostos de distraem, os dispostos se atraem.


É preciso disposição para manter uma relação, recuar e avançar, saber o momento exato, a hora certa, ter a palavra para o momento, saber dividir, calar, apontar, pedir. 

sábado, 3 de dezembro de 2016

Com o tempo seu mundo fica menor

Com o tempo seu mundo fica menor

Ronaldo Magella 03/12/2016

O tempo passa e você faz escolhas, toma decisões, realiza sonhos, deixa o seu mundo menor.

Se antes você tinha todas as opções do mundo, agora, com o tempo, você precisa a viver com os seus caminhos, desejos e escolhas.

Com o tempo o nosso mundo fica menor, não quer dizer pior, ou ruim, mas ele perde as muitas opções do começo.

O início é sempre largo, mas o fim é estreito e limitado.

Não somos feito das nossas escolhas, mas precisamos aprender a conviver com elas.

Quando a gente decide por um caminho precisa aprender a renunciar todos os outros.

Escolher algo significa desistir dos demais, das outras opções, escolhas.


quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

OK diz que não estamos interessados mais

OK diz que não estamos interessados mais

Ronaldo Magella 01/12/2016

Vamos terminar? Alguém pergunta. E de outro lado alguém responde, Ok.

Em tempos de amores líquidos e virtuais a nossa linguagem apressada, curta e monossilábica diz muito sobre os nossos sentimentos e direciona as nossas relações.

Quando a relação desanda a conversa também deixa de fluir.

Também diz respeito sobre o interesse da outra pessoa por você. Se ela quer, fala mais, quando não se quer, falar é um fardo.

Gente apaixonada sorri mais, se apega mais, procura mais o outro e claro, fala mais, até das coisas mais banais, como cantou Cazuza.

Gente interessada conversa, fala, pergunta, se empolga, aprofunda mais as questões, se abre mais, mostra mais.  

Hum, Ok, tudo bem, tá bom, blz, certo, massa, palavras usadas com frequência em nossas conversas virtuais, mostram muitas vezes o nosso interesse ou a nossa falta de interesse.

Particularmente penso e acredito que quando alguém é recatada na conversa, comedido no diálogo, a sensação que tenho é que não está interessada no que tenho pra falar, no que sou, em mim. Mas posso estar enganado.

A verdade é que, se a coisa é pra acontecer, a conversar será sempre a condutora, é por ela que a gente descobre coisas, rir junto, percebe se vale a pena ou não seguir juntos.

Quando não tem conversa, não tem relação, e nem vale a pena tentar.


Ela ainda vai esquecer-se de mim

Ela ainda vai esquecer-se de mim
01/12/2016

Minha namorada é um amor, ela só não lembra disso.

Ela se esquece das coisas. É uma graça.

Todos os dias ela me conta as mesmas coisas, com os mesmos detalhes.

Esquece as músicas que ouviu, esquece os filmes que viu, esquece os livros que leu.

Um dia ela ainda vai esquecer-se de mim.

Sorrio com o seu esquecimento, antes dizia, amor, você já me contou isso.

Não faço mais, agora, quando ela me conta faço cara de quem está ouvindo pela primeira vez, não quero estregar o momento.

Quando ela me pergunta se já me contou, agora, afirmou que não, e ela me conta tudo outra vez, agora com um novo detalhe, como se fosse a primeira vez.

Ouço atentamente, pergunto sobre o que já sei, ouvi, peço os detalhes, viajo na empolgação dela, sigo a sua emoção e o fluxo da sua fala.

Não quero interromper a narrativa da história que ela me conta, já sei o fim, mas agora quero os detalhes, perceber algo novo, e não quero perder a emoção e alegria do que ela me conta, diz, fala, como se fosse algo inédito.

Outro dia ela me contou que bateu o carro.

Da primeira vez que falou, apenas relatou o local do acidente. Na segunda vez, me contou que bateu a cabeça.


Espero ansioso que ela me conte novamente a mesma história, quero agora saber como foi o acidente e o que aconteceu depois.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Pensando com Nietzche - a nossa maior riqueza

Pensando com Nietzche

Ronaldo Magella 28/11/2016

Nietzsche em “Assim Falou Zaratustra” amplia o conceito de riqueza. Ao desce de sua solidão e das montanhas encontra um velho sábio, este lhe aconselha a dar aos homens uma esmola, Zaratustra porém retruca, dizendo-lhe não dar esmolas, uma vez que não era pobre o suficiente para tanto.

O pensador alemão argumenta, em seu personagem mais famoso, que a riqueza ou o dinheiro é a menor das riquezas, como comparar os bens materiais diante dos sentimentos, do intelecto, do pensamento, do sentir, do amor, da paixão, da paz, da caridade, da nobreza, do caráter, da amizade?

Há tantos que dão coisas, eu me dou a mim mesmo, eis a minha riqueza, talvez quisesse dizer Zaratustra, amo os homens e a eles dou minha vida, minha sabedoria, meu espírito, meu tempo, minha paz, aquilo que é meu e não aquilo que tenho, aquilo que sou e não quero que ganhei, aquilo me tornei e não aquilo que perderei.

Costumamos dar coisas, mas não nos entregamos, é fácil dar, difícil é doar-se, se entregar, descer do orgulho, da vaidade, do ego, das paixões e doar a nós mesmos, aos que temos de mais sagrado e rico, a nossa própria vida, a nossa alma, o nosso espírito, o nosso coração.

Já estamos cheio das coisas e vazios de pessoas, estamos conectados, mas solitários, somos modernos, mas carentes, temos bens, aparelhos, mas pouco confiamos nas pessoas, pouco sentimos segurança, um mundo cheio de curtidas, likes, comentários, mas de poucos afetos, as máquinas nos servem de companhia, enquanto ofertamos esmolas já que não temos coragem de nos dar.




segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Soldado em guerra

Soldado em guerra

Ronaldo Magella 21/11/2016

“Sou um soldado
A minha bandeira é constante
Luto em todas as guerras
Contra a cor cinza
Mentes pequenas
Mas estou sempre perdendo”
Em guerra
Luto por causas perdidas
Contra idiotas
Pelo conhecimento
Atiro silêncios
E sou atingindo pelo barulho do mundo
A morte é continuar vivo
O meu sofrimento é pensar
Defendo ideias
Abatido pela falta de luz
Dói a esperança
Castigado pela estupidez
Feridas de incompreensão
Dores de insensatez
Medo da ignorância
Assombrado pela maldada
Condenado pela indiferença
Acertado pela pós-verdade moderna
Sucumbo diante do que há
Do que foi, do que virá
Sofro, sorrisos faltos
Vida pouca, alegria fugaz
Existência em telas
Espíritos secos, almas quebradas
Corações inférteis
Rara poesia.
A roupa limpa, a cara suja
Sem esperar que o tempo mude.
Preso, sem saber o que é ser livre
Livre, sem entender a liberdade
Preso, gostando de ficar
Ficando, com medo de sair
Alvo fácil, o nosso coração
A guerra nunca acaba
Sempre se perder
Vencer não é o fim

Lutar é. 

Ela continua online

Ela continua online

Ronaldo Magella 21/11/2016
Odeio redes sociais.

14:40 foi a última vezes que ela entrou, me informa o WhatsApp, sou inseguro, penso besteira, estamos brigados, ela passa muito tempo online, são os grupos, ela diz, ninguém tem tantos grupos assim, odeio grupos, só falam merda.

Ela me trai, tenho certeza, conversa com outros, estamos brigados, resolvi terminar, não suporto redes sociais.

Há muita gente idiota online, todo mundo é feliz, engraçado, certinho, odeio, todo mundo odeia a segunda-feira, mas todo mundo deseja uma ótima semana, odeio a hipocrisia das redes.

Vasculho as redes sociais dela, sim, terminamos, não quero mais, mas gosto de ver, sinto falta, saudade, a ausência dói, essas porras todas juntas que se se tem quando se gosta de alguém.

Odeio gostar de alguém.

Vejo-a online, passo horas com o celular olhando-a online, não falo, ela sai, volta, entra, está online, penso besteira, penso demais, mas acabou.

Ela continua online. Saiu. Voltou.

Canso, desisto, saio. Não esqueço. Fico esperando ela falar. Silêncio.

Ela nunca mais falou comigo, depois da nossa última conversa, sim, brigamos, não nos falamos mais, acho que ela já tem outro.

Ela está online. Deve está se encantando por algum idiota aí com fotinha bonita e papo cheio de emoticons. 

Vejo quem curtiu as fotos dela, são mais de 500 curtidas, olho todos os perfis, alguns são suspeitos, outros acho que ela não teria interesse, internet é terra de ninguém. Foda-se, não quero mais isso.

Ela diz que me ama, pra eu ter segurança, me garantir, enquanto ela fica online. Não dá, não rola, chega.

Quem ama não fica online.

Quem desliga o Wifi e vai dormir. Pronto, falei.

É isso, eis a prova maior do amor dos novos tempos modernos.

Sou ciumento, nunca disse a ninguém. Digo agora.

Quem é que tem segurança nessa droga de universo digital e líquido?


Não importa. Melhor deixar pra lá. Ela continua online. 

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Por que há pessoas sempre insatisfeitas?

Por que há pessoas sempre insatisfeitas?

Ronaldo Magella 17/11/2016

Uma amiga me conta, não consigo gostar de ninguém, sou muito mimada e sempre exijo dos meus namorados muita atenção, cuidado, carinho, afeto, cobro, peço, não me conformo com pouco, quero sempre tudo e estou sempre insatisfeita.

Sei que é muito difícil agradar uma mulher e é bem provável que a gente, homens, nunca consiga, mas também é preciso dizer que muitas vezes há certa imaturidade em querer que todas as suas vontades sejam atendidas sempre.

Há pessoas exigentes, que cobram demais, adoram receber e pouco fazem na direção contrária, não sabem se doar, estão sempre pedindo, como se fosse uma necessidade delas e uma obrigação do outro.

O problema é que, talvez, uma hora quem está se doando venha a cansar, e, quem está apenas recebendo pense que não é suficiente o que se tem, todas as declarações de amor, toda a atenção, os presentes, a vida então começa a ficar chata, a relação tediosa e daí para mudar, como se diz, são dois palitos.

Minha amiga sempre reclama da sua vida amorosa, diz ser um desastre, abusa rápido dos seus parceiros, começa a perder o interesse na relação se não for atendida nos seus caprichos, se não for mimada conforme ela deseja que deva ser.

Ela me disse que precisa ouvir todo dia palavras carinho, precisa ser conquistada todos os dias, precisa receber atenção sempre, de forma constante, mas quando pergunto, e o que você faz em troca, ela me diz, nada.

Parece que algumas pessoas nunca estão satisfeitas, o mais difícil não é conseguir agradá-las, mas talvez elas entenderem que nunca serão atendidas de forma completa, integral.



quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Coisa que toda mulher odeia

Coisa que toda mulher odeia

Ronaldo Magella 16/11/2016

Mulher odeia ser comparada com outra
Ter o nome trocado pelo da ex
Ver outra mulher com a mesma roupa
Repetir roupa
Excesso de cuidado
Falta de atenção
Cara que não liga no dia seguinte
Cara estúpido, idiota
Cara bonzinho demais
Homem carente demais, inseguro, imaturo
Odeia homem sujo, desorganizado, que fede
Que não levanta a tampa do vaso
Cara que fala demais, que fala de menos
Odeia não receber um elogio
Não ser percebida, notada
Ser chamada de gorda
Homem que não sabe esperar
Homem sem atitude
Homem que só fala merda
Cara que goza rápido demais
Que demora a gozar
Homem apressado demais
Homem lento demais
Que abusa, que insiste demais
Dramático e chato
Romântico demais, meloso demais,
Que não sabe beijar, que mija fora do vaso

Homem que não envolve

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Quem tem medo de amar não tem coragem de viver

Quem tem medo de amar não tem coragem de viver

Ronaldo Magella 14/11/2016

Uma amiga me conta, não é feliz no casamento, a relação não funciona mais, tomou abuso do marido, não vivem mais, se suportam, ela pela estabilidade, não tem emprego, tem filhos, tem medo de arriscar sair de uma vida que não suporta mais, mas continua, pela comodidade.

Nessas histórias sempre acontece o inevitável, uma paixão, e, ela está apaixonada por outra pessoa, me diz, sentimento verdadeiro, intenso, real, que faz o coração pular e querer saltar e ir de encontro ao objeto do seu amor.

“Nossa, só de vê-lo me sinto realizada, sinto algo estranho, tremo, fico nervosa, não sei o que acontece comigo, começo a rir sem querer, me sinto uma adolescente apaixonada, sem saber o que fazer, falar, é gostoso, estranho, lindo, é algo que me faz sentir viva outra vez”. Ela me conta.

E por que não está com ele? E ela me diz, por medo, tem medo, apesar do sentimento ser real, bom, gostoso, sincero, vivo, intenso, profundo, ela tem medo de mudar, de sair da sua vida chata, tediosa, sem sabor, mas tranquila e segura.

Minha amiga não tem coragem de amar, logo, tem medo de viver, ela prefere reclamar da vida a construir uma nova e melhor vida pra si, tem medo de sair da sua segurança, do seu conforto, até entendo, mas ela está negando a si o prazer da existência, de estar viva.

Não sei até quando minha amiga vai suportar viver assim, dividida, sufocada pela realidade que está vivendo e suspirando por uma sensação e um desejo que tem medo de viver.

Ela sofre em todas as situações, pelo que vive, pelo que não vive, pelo que tem, pelo que não tem, pelo que não deseja mais e pelo que anseia ardentemente.

Nem sempre é fácil tomar uma decisão em situações assim, é possível optar por arriscar tudo e perder tudo, também se pode viver o resto da vida na mais chata monotonia e chegar ao fim da existência com aquele sabor de vida não vivida.

Viver, seja como for, precisa ser bom, gostoso, intenso, nobre, precisa nos fazer suspirar, gostar, ter prazer, e, relação, amor, paixão, afeto, a mesma coisa, é preciso sentir-se do lado de alguém e não apenas está ao lado de alguém.  

Às vezes, muitas vezes, é melhor quebrar a cara e sofrer, só pra sentir o sabor da vida, se deixar apaixonar, amar, querer, gostar, mesmo que isso seja por pouco, muito pouco, mas é melhor sentir pouco da vida do que viver muito com nada, sem nada, sem saber o que é estar vivo.


Só tem saudade quem viveu, só tem lembranças quem teve uma vida, só quer mais quem provou do que havia pra ser provado, e isso faz muita diferença, toda, inclusive. 

A falta de habilidade dos homens com as mulheres

A falta de habilidade dos homens com as mulheres

Ronaldo Maglla 14/11/2016

Não é possível agradar uma mulher, jamais. São pessoas, seres, gentes, insatisfeitas por natureza e destino.

Um amigo me conta, estava tentando ser agradável, ajudando na organização da festa, meio estilo homem, desastrado, desajeitado, penso, então, a esposa olhou pra ele disse, melhor seria você bem longe daqui, você só atrapalha.

Ele parou, suspirou, soltou o que estava fazendo e resolveu sair de cena, tomar um ar e voltar mais tarde.

Melhor não comprar briga nessas horas, uma palavra solta, nunca mais se esquece, o silêncio, em brigas afetivas, é sempre o melhor caminho, o que se diz se torna eterno, fica gravado, e claro, será lembrado em uma outra oportunidade.

Pela noite ouviu queixas, segundo ele, ela reclamou, dizendo que ele saiu pra não fazer nada, tanto trabalho e ele deixou-a sozinha arrumando tudo. Ele, claro, ficou sem entender. Afinal, era pra eu sair ou ficar? Eu ajudo ou atrapalho?

Na dúvida, é melhor ajudar, mesmo atrapalhando, acho que seja isso que elas esperam.

Lembro dessas postagens que se publica nas redes sociais, que sempre dizem, mulher diz sim, querendo dizer não, ela te manda embora, querendo que você fique, ela diz que não querer, torcendo para você insistir mais um pouco.

Comprovo isso na prática. Certa feita, de paquera com uma menina, ela me disse que iria resolver algo e voltaria logo pra continuar a conversa, demorou dois dias, não a procurei, esperei ela voltar, conforme ela disse que faria.

Depois de um certo tempo ela apareceu do nado reclamando, dizendo que eu não havia procurado, que não tinha interesse, que sumi, claro, apenas lhe disse que estava esperando por ela, já que ela havia garantido que voltaria. 

Ela me disse que sumiu para perceber o meu grau de interesse, a minha vontade, se eu tinha mesmo disposição para me relacionar com ela, no fundo ela queria que insistisse.

Em outra oportunidade, fiquei com uma garota, achei melhor ser educado, parcimonioso, não avançar os sinais, era o primeiro encontro, pensei, vou devagar.

Ao chegar em casa mensagem dela no celular, reclamando, me disse, pensei que você tivesse mais vontade de ficar comigo. Entendi o recado. Ela esperava mais, muito mais de mim. Errei, errei feito, errei rude.

Outro dia, outra oportunidade de mostra minha falta de habilidade, nova tática, mais ousadia, mais insistência, incisão.

Sai com outra mulher, pensei comigo, vou chegar junto, mostrar pegada, acelerar, fazer diferente, e, claro, não deu certo, ela reclamou, ei meu amigo, calma aí, vamos com calma, num é assim não.


Não é possível saber o que elas querem, vai muito do momento, da oportunidade, não existe mulher fácil ou difícil, depende muito da oportunidade e da companhia, já homem sempre é fácil, sempre diz sim, sempre quer, qualquer mulher faz um homem de trouxa, de idiota, e todo mundo sucumbe aos encantos de uma mulher, homens são frágeis criaturas idiotas e imaturas, infantis, vítimas do próprio desejo, cultivam sempre os mesmos sonhos de quantidade e tamanho, fazem tudo igual.